Mercedes C250 Coupe

by

 

Choveria… sim choveria! Como de costume, quando vou testar um carro (com mais de 200cv…), fico ainda mais ansioso quando olho pela janela e vejo que o asfalto está molhado e liso.

Fiquei com este Mercedes C250 Coupe o dia inteiro. Estava com 3.725km e devolvi com 3.990km. Não se pode dizer que o carro é lindo, mas tem linhas clássicas e a característica estrela na frente. Gosto e portanto, sinto falta nos Mercedes, daquela “mira” que as vezes fica em cima do capo, elegante e tradicional.

O Kit AMG que equipa este modelo traz de fábrica graciosas borboletas no volante, novos para choques, saias esportivas, além da linda roda de 5 raios de 18” com meus preferidos pneus Continental (225/40 ZR).

Em minha opinião, os carros Coupe são os mais lindos, possuem três volumes bem definidos e são muito leves. Também se livram daquelas 2 portas traseiras que muitas vezes não usamos. Neste porém, esqueceram de tirar a moldura das portas. Questiono a Mercedes… Qual é o ponto de ter um Coupe, se não podemos nos sentir livres ao abrir a porta com os vidros abaixados, SEM moldura? Porque na Classe E seguiram esse conceito Coupe clássico e na Classe C não? Este fato me intrigou e de cara me fez perder qualquer interesse em recomendar o carro.

mercedesTendo dito sobre o que não me agrada nele, vamos direto ao melhor deste modelo, que é sem duvida sua direção. Leve como uma pluma, até da gosto de entrar em vagas apertadas de supermercados! Consegue ser tão direta que a 210Km/h, na chuva (reforçada pela suspenção firme e bancos de ótimo apoio), o carro parece “colar no chão”. Outra façanha é o grande raio de esterço. Pode se fazer um retorno em “U” fácil-fácil! Dados de fábrica mostram que faz de zero a 100km/h em 7,2seg. Consegui, sem controle de tração, fazer em 7.5seg. Porém acredito que pilotos com mais prática consigam bater essa marcação.

É impressionante a calibragem do controle de tração. Até parece estar dentro daqueles brinquedos da Disney, em que o carrinho (elétrico) não sai do trilho. Qualquer acelerada mais forte ou viradinha errada do volante é corrigido automaticamente, o que torna a pilotagem menos divertida. Confesso que não me dou mito bem com computadores, então meu desespero para desativar o ESP foi tanto que demorei uns 15 minutos para perceber que não era via computador de bordo e sim por meio dos botões do lado esquerdo do volante, que controlam o software do painel de velocidade. Sem a “babá eletrônica” fica tudo mais divertido e o carro até sai de traseira. O que é uma delícia!
Um cuidado que se tem que ter é que mesmo no modulo “sport” ou “manual”, as marchas teimam em não obedecer. Com isso, fica difícil saber quando o motor reage ao câmbio e quando as rodas vão patinar. É possível tirar a traseira do carro nas curvas, mas fica quase impossível prever quando isso acontecerá.

Além disso, percebe-se que o câmbio e o motor não “se falam” muito bem. O câmbio é bom, mas não tão rápido quanto ao dos novos AUDI. O motor é bom, porém pequeno e com muitos cavalos (204), fica meio perdido entre as funções de economizar combustível e acelerar, o que provoca uma certa incerteza da potência.

De qualquer forma a diversão está garantida. Em curvas até 50km/h é possível conseguir uma boa saída de traseira, auxiliada pelo ótimo chassis, que é super rígido e confiante. Não pense porém, que conseguirá fazer “drifting”. Apesar de toda rigidez e facilidade, o motor fraco para isso, não consegue girar a roda rápido o suficiente.

mercedes

Quando se freia forte, o cinto de segurança aperta o motorista contra o banco, evitando o efeito chicote, o que passa grande confiança e sentimento de segurança. Senti falta dos faróis traseiros (luzes de freio) piscando como na C AMG. Quando se freia forte, este recurso é muito útil e fundamental para alertar os motoristas do carro de trás.

Os bancos tem regulagem elétrica de altura e de encosto, mas não possuem memória. Dentro do carro, percebe-se que os materiais utilizados nos acabamentos não são tão elegantes quanto os modelos Mercedes costumavam ter, porém nada de barulhos ou rebarbas, deixando aquela impressão de que o carro durará uma vida inteira. Para quem vai atrás, somente o espaço suficiente de um Coupe e o porta-malas parece ser grande o suficiente para um final de semana na praia.

Para os modelos mais novos, especula-se que a Mercedes diminuirá ainda mais o motor, de atuais 1.8litros para mínimos 1.6litros. Se isso realmente acontecer, além de você pagar o mico de ter um Coupe com moldura na porta, ainda terá um Mercedes com motor quase do tamanho de uma bomba d’agua.