Forrações

by

Confira algumas dicas de plantas que podem ser usadas no paisagismo

No paisagismo além de usarmos diversas espécies de plantas como arbustos, palmeiras e árvores na composição do nosso jardim, temos que nos preocupar com os acabamentos de todo o conjunto.

É muito importante, pois completamos espaços vazios em canteiros.

As forrações no paisagismo são fundamentais para dar acabamento e “tampar” aquele pedaço de terra que fica exposto e a maioria das pessoas não gosta.

As forrações podem ser usadas em todo o tipo de canteiro e também em vasos.

Semana que vem abordaremos alguns tipos de palmeiras.

Ate lá abraços!

Seguem algumas opções de forrações bastante usadas:

  • Nome Científico: Callisia repens
  • Nome Popular: Dinheiro-em-penca, tostão
  • Origem: América Tropical

O dinheiro-em-penca é uma planta herbácea e rasteira, de pequeno porte, alcançando apenas 5 a 10 cm de altura. Ela apresenta folhagem densa.  As flores do dinheiro-em-penca são brancas e pequenas e de pouca importância ornamental.

O dinheiro-em-penca presta-se principalmente como forração. Sua textura fina e delicada é muito valorizada no paisagismo. Adapta-se em diversos estilos de jardins. Também é apropriada para cestas suspensas e jardineiras, de forma que seus ramos pendentes podem ser melhor apreciados. Sua popularização é crescente e diz-se que traz sorte e dinheiro para a pessoa que ganhar um vaso com a muda da planta, de presente.

Deve ser cultivada sob meia-sombra e irrigado regularmente. Não tolera o frio, ventos fortes ou pisoteio. O cultivo sob sol pleno torna a planta excessivamente avermelhada e queima as folhas.

  • Nome Científico: Evolvulus glomeratus
  • Nome Popular: Evólvulo, Azulzinha
  • Origem: Brasil e Paraguai

 

O evólvulo é uma planta herbácea, bastante rústica e fácil de cultivar. As flores são também pequenas, em forma de funil e muito vistosas. As pétalas são de cor azul ou lavanda, e o centro da flor é branco.

No paisagismo é bastante versátil, podendo ser plantada em maciços, canteiros, bordaduras, vasos e jardineiras, assim como presta-se como forração. Sua beleza e efeito pendente são evidenciados em cestas suspensas. A floração se estende por todo o ano.

Devem ser cultivadas à pleno sol, embora tolere sombra parcial durante o dia. O substrato deve ser fértil, enriquecido com matéria orgânica, e regado regularmente.

  • Nome Científico: Hedera helix
  • Nome Popular: Hera, hera-inglesa, hera-trepadeira, hera estrela
  • Origem: Europa, Ilhas Canárias, África e Ásia

A hera estrela é  uma planta de textura semi-lenhosa com ramos longos, que tem característica de trepadeira também.

As folhas são simples, verde-escuras e brilhantes Ocorrem também heras de porte anão, para uso em vasos.

A hera é uma planta multifuncional. Sua beleza delicada e clássica a tornam ideal para compor com flores em floreiras, forrações de vasos, bacias e canteiros. Também é muito utilizada como forração sob copas de árvores ou como revestimento mesmo.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil,  irrigado periodicamente.

  • Nome Científico: Acalypha reptans
  • Nome Popular: Rabo-de-gato, Acalifa, Acalifa-rasteira
  • Origem: Índia

O rabo-de-gato é uma planta diferente ,pois  suas inflorescências vermelhas têm uma textura de pelúcia.  Devido às suas características presta-se como forração. Bastante rústica, é uma planta muito resistente a vários tipos de ambientes.Pode ser plantada em jardineiras ou na formação de maciços e canteiros no jardim.

Devem ser cultivados a pleno sol, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e regas regulares.

  • Nome Científico: Arachis repens
  • Nome Popular: Grama-amendoim, amendoim-rasteiro
  • Origem: Brasil

A grama-amendoim é uma excelente forração, pois completa e cobre toda a superfície , formando um tapete verde. Tem delicadas flores amarelas. É muito utilizada para proteção de taludes e forração de canteiros. Rústica, embora não seja resistente ao pisoteio, possui rápido crescimento.

Deve ser cultivada a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares.

  • Nome Científico: Tradescantia zebrina
  • Nome Popular: Lambari, trapoeraba-roxa
  • Origem: México

O lambari é uma herbácea perene, muito rústica.  As flores são pequenas e róseas, de importância ornamental secundária.

Por ter uma boa e resistente adaptação à sombra, o lambari torna-se uma excelente forração para situações de sombra e meia-sombra, onde dificilmente os gramados vingam, como sob  copa de árvores. Seu plantio em vasos, jardineiras e canteiros também é bastante usado. Adubações leves e regas freqüentes estimulam seu crescimento.

Devem ser cultivados à meia-sombra ou sombra, em solo fértil e enriquecido com matéria orgânica, mantido úmido. Planta tipicamente tropical, não é tolerante ao frio.

  • Nome Científico: Ophiopogon jaburan
  • Nome Popular: Barba-de-serpente, Ofiopogo, Ofiopógão
  • Origem: Japão

A barba-de-serpente é uma planta herbácea, perene, estolonífera e de folhagem ornamental, semelhante a uma gramínea. Ela cresce em tufos podendo chegar até 40 cm de altura. A forma típica é de cor verde escura, mas a forma mais difundida e ornamental é a variegada (branca e verde clara).

No paisagismo, a barba-de-serpente  é usada como excelente forração, em locais ensolarados ou semi-sombreados. Ela também pode ser utilizada como bordadura, indicando caminhos e demarcando canteiros. O aspecto  pendente de suas folhas a torna uma planta para ser apreciada em vasos e jardineiras também além de compor as formas e canteiros de jardins.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, bem drenável, leve, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

Fonte:  Jardineiro.net